segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Meu erro

Ontem, troquei figurinhas com uma amiga sobre um assunto espinhento pra mim, chamado satisfação profissional. Coincidentemente, tenho pensado um bocado sobre isso ultimamente e tenho chegado a várias conclusões, enquanto abandono outras pelo caminho.
Sei que vou mudar de área, sei pra onde vou, mas ainda não consegui entender o que me fez fazer uma escolha tão errada (até pra não cair em furada semelhante outra vez, Deusmelivreeguardeamém!). Não estou falando de culpa, mas queria entender de vez o que me levou a isso e me desandou nesse caminho onde não mais me vejo, onde não colho a tal satisfação por mais que tenha tentado. Sei lá, a gente às vezes simplesmente não se encaixa, mesmo que se obrigue arduamente.

Aí achei (pra variar) esse trecho num livro que estou lendo:

"Acredito sim que dizes o que penses agora;
Mas aquilo que decidimos, não raro violamos.
O propósito não passa de servo da memória,
De nascer violento mas fraca validade,
E que agora, como fruta verde à árvore se agarra,
Mas quando amadurecida, despenca sem chacoalho.
Imprescindível é que nos esqueçamos
De nos pagar a nós mesmos o que nos é devido.
Aquilo que a nós mesmos com paixão nos propomos,
A paixão cessando, o propósito está perdido.
(Shakespeare - Hamlet)

... Cara, como tenho pensado nisso ...

Nat

Um comentário:

marcinha disse...

tb me sinto assim...
bjssss