domingo, 24 de agosto de 2008

Socorro


Eu preciso de um dia, um só dia.
Um dia pra chamar de meu.
Um dia que não seja segunda, sábado e nem quarta.
Um dia que não carregue a responsabilidade dos afazeres dos dias úteis e nem a ansiedade do "aproveite enquanto é tempo"dos feriados.
Algum dia que não me diga o que fazer.
Um dia que não me apresse, não me sugue e nem me empurre em direção ao dia seguinte.
Um dia para o nada, um dia para mim.
Seria um dia neutro, o "dia Z" , um extra no calendário, um 31 de Fevereiro talvez.
Um dia que eu acorde sem despertador, em que as horas não sejam marcadas em relógio algum, sem ter que rumar a lugar algum, sem ter e sem dever.
Um dia que eu me desvista das reponsabilidades e só vista pijamas. Não que eu vá dormir o dia todo, mas sim porque eu estaria despretensiosa em relação ao que fazer com as horas a virem ao meu encontro.
Sim, eu precisava...
De um dia pra aprender de vez a aproveitar realmente o que se chamam "horas vagas" sem pensar nas "horas cheias" que virão, inevitavelmente, a seguir.
Sim, na verdade era só o que eu queria...
Mas acabo de pensar: "Um dia só é suficiente?" Não, é muito para um dia só, acho.
Um dia também para apagar as olheiras (ô! Tão grandes ultimamente) e acender as energias.
Um dia pelo menos pra apartar o cansaço que é viver cansada.

Nat

4 comentários:

Lily disse...

ai tÔ nessa tb!
preciso de mais tempo pra mim!
tô na correria total!!!

mas esse tempo vai chegar! tenhamos fé!

bjkss

Nat, disse...

Esse veio por e-mail, do Paulo:

Muitos dias,
muitas horas,
muitos fragmentos do tempo,...
"... and when at least the work is done
Don't sit down it's time do start another one...
...and them one day you find ten years have got behind you..."
O tempo.
Comecei a pintar uma armadilha para o tempo. Tenho que fazer 60 delas para conseguir aprisionar somente um segundo. Poderiam ser 125, ou 250 ou até 5000. Para aprisionar apenas um segundo.
Deitava no telhado da casa nova e ficava até a madrugada olhando as estrelas. Como o Snoop no telhado da casinha vendo o "Céu Estrelado..." Vinha o sereno e esfriava tudo, até a garganta começar a arranhar. Tinha tempo pra tudo.
Mas ele ainda está aí e meus tudos agora são muito mais. Muito mais tudo para fazer no mesmo tempo. O presente.
Não são só dez anos para trás, nem vinte, nem cem,... É apenas o tempo que não conseguimos parar.
E por isso vivemos.
Beijão
Paulo, Mee e Guru

marcinha disse...

ei minha lindinha...
às vezes gostaria de poder te colocar no colo, mas o tempo passou... tá bom, eu sei, vc é maior do que eu... :) mas meu amor por vc é maior do que o mundo.
E que lindo o que o Paulo escreveu pra vc né! Noites estreladas pra vc... bjs, mamys.

.Ná. disse...

Nat, acho que a gente deveria batalhar por esse dia.. tô tão necessitada dele tbm! Quando penso que ao chegar em casa poderei descansar... vem aquela batelada de coisas a fazer que nao podem ficar pra outro dia. Eu só queria um dia Z também.
Beijos